Facebook

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Tutorial para Criação de Quadro de Áreas por pavimento






Para quem preferir segue link com o tutorial em pdf:
 https://goo.gl/FETk09

Autor
Gian Felippe Lisboa Oneda - Formado em Engenharia Civil pela UNISOCIESC, cursando MBA em BIM Manager pelo INBEC/UNICID. Atua há 6 anos na área de projetos complementares e com compatibilização de projetos através do método BIM. Também atuando com implementação de soluções BIM para escritórios de engenharia, arquitetura e construtoras.
Certificação profissional de Revit Architecture (427199)






Pavimento Térreo.

1º Passo – Ir na Aba Vista > Painel Criar > Comando Tabela > Tabela/ Quantidades


2º Passo – Selecionar “Áreas (Área Total)” na lista.


3º Passo – Na Aba “Campos” Selecionar: Nome, Nível Área.


5º Passo – Na aba “Campos, ir em “Adicionar parâmetro”e criar os seguintes parâmetros:


4º Passo – Na aba Filtro, filtrar pelo pavimento que deseja criar a tabela e um filtro para excluir as áreas que não são computáveis, caso existirem.



5º Passo – Na aba “Classificar/Agrupar”deixar as seguintes configurações:




6º Passo – Na Aba “Formatação”ir em área e ativar a opção “calcular totais”


Após concluir a tabela irá ser criada de acordo com o que foi identificado de áreas na planta de área do pavimento utilizado.


7º Passo – Identificar o nome do “quadro de áreas”de cada área, e também “Área não Computável”caso existir.


8º Passo – Voltar em “Classificar/Agrupar”e classificar por quadro de áreas.


Após concluir as áreas serão agrupadas.


Para ocultar o que não deseja aparecer na tabela, basta selecionar a coluna e acima irá aparecer o campo para ocultar.



Após todos os campos indesejados serem ocultos, selecionar as colunas e ir em redimensionar para configurar de acordo como ira aparecer na prancha no final.





Pavimento Tipo

1ºPasso – Duplicar a tabela criada anteriormente.
2ºPasso – Configurar o Filtro para alterar o pavimento e em “classificar/agrupar”classificar por nome.

3º Passo – Nomear os Quadro de Áreas.



4º Passo – Ocultar os campos que não precise, e redimensionar as colunas.



 Pavimento Tipo x(X)

1º Passo – Filtrar por pavimento igual a Pavimento Tipo.

2º Passo – Desmarcar todas as opções em “Classificar/Agrupar”
Área Total a Construir

1º Passo – Criar um parâmetro “Área total a construir”

2º Passo – Em Campos Apenas deixar Área e o parâmetro criado.



3º Passo – Deixar sem nenhum Filtro.

4º Passo – Deixar sem nenhuma classificação.


Configuração de Modelo de Vistas

1º Passo - Nas propriedades das tabelas ir no campo:
Dados de Identidade - modelo de vista.




2º Passo – ir no parâmetro Aparência e configurar de acordo com o indicado abaixo.

3º Passo - Duplicar a tabela anterior e nomear como: Tabela pavimento tipo total x(x). Indo novamente em aparência e configurando de acordo com o indicado abaixo.





4º Passo – Aplicar o Modelo de vista em todas as tabelas.

5º Passo – Para tirar o texto do nome da tabela, selecionar o mesmo e acima ira aparecer o campo “excluir”e também pode ser redimensionado a altura.





Finalizando todas essas configurações nas tabelas, basta ir na prancha e arrastar todas as tabelas para dentro, e posicionar de acordo com o desejado.







quarta-feira, 8 de julho de 2015

BIM - O que é?

https://biminformation.blog/


Muitas pessoas quando ouvem falar em BIM pensam primeiramente em um software, alguns além de pensar em software já acham que é um software da Autodesk, mas, na verdade, BIM é um conceito.
BIM significa “Building Information Model ou Building Information Modeling” que na tradução fica como: “Modelo de Informação da Construção ou Modelagem de Informação da Construção”

O Professor Dr. Leonardo Manzione define Building Information Modeling como um processo que permite a Gestão da Informação e Building Information Model como o conjunto de modelos compartilhados, digitais e tridimensionais que formam a espinha dorsal de todo o Processo do Building Information Modeling

Já o Professor Chuck Eastman defini BIM como uma tecnologia de modelagem e um conjunto associado de processos para produzir, comunicar e analisar modelos de construção.

Ou seja, BIM é uma forma “nova” de trabalhar, aonde se pensa no ciclo de vida das edificações, pois gerando um modelo BIM de um projeto, é possível detectar interferências com mais facilidade e ajustar antes de chegar na obra, consequentemente se tera um ganho de tempo e dinheiro no final da obra. Com um modelo 3D de todos os projetos é possível fazer uma simulação de toda a construção, no qual já entra no BIM 4D, ainda é possível extrair informações de quantitativos dos materiais e gerar um orçamento da obra, podendo facilmente alterar esses materiais e simular o custo com diferentes tipos, no qual já entra no BIM 5D.

Hoje no Brasil poucas empresas utilizam esse conceito, e muito poucas pessoas sabem o que realmente é e quais as vantagens de todo esse processo, mas aos poucos o mercado está começando a se mexer, já temos os primeiros editais de licitações de governos, exercito brasileiro padronizando todas as suas instalações com o conceito BIM, Petrobras exigindo projetos em BIM, entre outros órgãos que também estão aderindo a esse conceito. E Já temos um MBA oferecido pelo INBEC em diversas capitais do Brasil voltadas para a formação de BIM Managers.


É uma questão de tempo até a maioria das empresas tanto de projeto como de construção entrarem nesse mundo, e quem entrar de início acredito que tera muitas vantagens no futuro, claro que agora é difícil convencer os clientes desta nova forma de trabalho, mas se ninguém começar, não vai ser possível BIMevangelizar o Brasil...

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

TCC - Método BIM

Depois de algum tempo de inatividade do blog para aproveitar as férias estou voltando, nas próximas semanas irei fazer alguns posts sobre alguns estudos de caso na área de BIM do livro Manual de BIM do Chuck Eastman e para começar hoje estou disponibilizando o meu TCC para download.
Nele eu fiz um estudo de caso de um residencial multifamiliar, no qual foi pego um projeto compatibilizado no método tradicional em 2D e para comparação modelei o projeto em 3D para comparação.
Segue o link para download:
http://goo.gl/oviyyb

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Resumo/Abstract TCC


Percebe-se nos últimos anos que o BIM (Building Information Modeling) vem crescendo muito no Brasil, com vários eventos abordando o tema e várias pesquisas na área. Para tanto, nesta pesquisa foi realizado um estudo de caso, no qual foi feito um comparativo entre um projeto compatibilizado em 2D pelo método tradicional e o desenvolvimento do mesmo projeto em 3D pelo método BIM com o desenvolvimento dos projetos 3D de arquitetura, estrutura, hidráulico, sanitário e drenagem. O estudo de caso demonstrou que muitas informações passam despercebidas pelos projetistas, deixando que muitas incompatibilidades sejam resolvidas durante a execução ou que sejam executadas em desacordo com as normas. Pelos resultados da analise tridimensional deste estudo percebe-se que o projeto bem modelado, pode resolver muitos problemas antes da obra iniciar, ou mesmo, prever esses problemas que ocorrerão durante a execução da obra.

Palavras-chaves: Método BIM, Compatibilização de Projetos, 3D, Projetos, Construção Civil, Detecção de Interferências.

ABSTRACT

It is noticed in recent years, the BIM (Building Information Modeling) has been increasing in Brazil, with several events addressing the issue and several studies in this area. To this end, in this research a case study in which a comparison was made between a project made compatible in 2D using the traditional method and the development of the same design in 3D BIM method with the development of 3D architectural design, structural, piping, sanitary and drainage. The case study demonstrated that many details go unnoticed by the designers, leaving many incompatibilities are resolved during run or that run contrary to the rules. Three-dimensional analysis of the results of this study it can be seen that the project shapely, can solve many problems before the work starts, or even predict such problems will occur during execution of the work.

Keywords: BIM method, Harmonization Project, 3D, Projects, Construction, Interference Detection.

sábado, 1 de novembro de 2014

Estrutura x Esgoto

https://biminformation.blog/


Um grande problema que vejo em projetos de compatibilização são as tubulações de esgoto, que tem certa inclinação, pois a rede vai por gravidade, e devido a essas inclinações a tubulação nunca cruza as vigas numa mesma altura, essa altura sempre é variável e no projeto de compatibilização em 2D não consta essa altura. Na figura 1 podemos observar apenas uma tubulação passando no furo indicado, no furo percebe-se uma tubulação passando, que no caso é uma tubulação de ø50mm que serve de ventilação, e abaixo está passando uma tubulação de ø100mm que é a passagem do esgoto de um banheiro, devido as inclinações consideradas no projeto sanitário e que foram considerados no modelo 3D, as furações deveriam ser previstas de maneira diferente da que foi mostrada no projeto

Figura 1: Estrutura x Esgoto1
 Fonte: O Autor (2014)

A explicação do porque que as tubulações de ventilação e esgoto estão em níveis diferentes é devido às especificações da NBR 8160, que especifica que a tubulação de ventilação deve estar acima do ramal de esgoto, como demonstra na figura 2, pois a tendência dos gases é de subirem, e sempre irão procurar o caminho mais fácil, normalmente o que se observa em obras é fazerem a ligação da ventilação no mesmo nível do ramal principal, o que não ira funcionar como deveria, com o tempo pode vir a entupir a tubulação e acabar ocorrendo problemas de odores devido ao gás não ter para aonde ir.


Figura 2: Estrutura x Esgoto 2
Fonte: O Autor (2014)

Fonte:   Oneda, G F L. Um Modelo de compatibilização de projetos de edificações baseado no método BIM. Joinville: Centro Universitário Tupy, 2014 TCC

sábado, 25 de outubro de 2014

Definições de Projetos

https://biminformation.blog/

Durante minhas pesquisas de referencial teórico do meu TCC, fui em busca de encontrar as definições dos projetos que compreendem uma edificação, que da mesma maneira que devem ser seguidos num projeto desenvolvido em 2D devem se respeitados num desenvolvimento através do método BIM.

Segundo a NBR-5674 (1999), projeto é definido como a descrição gráfica e escrita das características de um serviço ou obra de Engenharia ou de Arquitetura, definido seus atributos técnicos, econômicos, financeiros e legais.
De acordo com a NBR 13531 (1995), instalação predial é o produto constituído por conjunto de componentes construtivos definidos e articulados em conformidade com princípios e técnicas específicos da arquitetura e da engenharia para, ao integrar a edificação, desempenhar, em níveis adequados, determinadas funções (ou serviços) de condução de energia, gases, líquidos e sólidos. Exemplos: instalações hidráulicas (água fria, água quente, águas pluviais, esgotos), instalações elétricas (iluminação e energia) e instalações mecânicas (elevadores, ar-condicionado, coleta e tratamento de lixo).
            As informações do projeto devem registrar, quando couber, para a caracterização de cada produto ou objeto (edificação, elemento da edificação, instalação predial, componentes construtivos, e material para construção), os atributos funcionais, formais e técnicos considerados (NBR 13531, 1995).

A seguir serão apresentadas algumas definições das NBR, sobre os diferentes tipos de projetos.

Projeto Arquitetônico: Segundo a NBR-13532 (1995), a concepção arquitetônica da edificação, dos elementos da edificação, das instalações prediais e dos seus componentes construtivos deve abranger a determinação e a representação dos aspectos indicados em 3.1.1 a 3.1.3 da norma. Os aspectos relacionados com as engenharias dos elementos e instalações da edificação e dos seus componentes construtivos, bem como dos materiais para construção, também deve ser determinados e representados para o efeito de orientação, coordenação e conformidade de todas as demais atividades técnicas do projeto.

Projeto Estrutural: Segundo a NBR-6118 (2004), a solução adotada em projeto deve atender aos requisitos de qualidade estabelecidos nas normas técnicas, relativos à capacidade resistente ao desempenho em serviço e à durabilidade da estrutura. A qualidade da solução adotada deve ainda considerar as condições arquitetônicas, funcionais, construtivas, estruturais, de integração com os demais projetos (elétrico, hidráulico, ar-condicionado e outros) explicitados pelos responsáveis técnicos de cada especialidade com a anuência do contratante.

Projeto Hidráulico: Segundo a NBR-5626 (1998), o projeto da instalação predial de água fria deve ser elaborado de modo a tornar o mais eficiente possível o uso da água e energia nela utilizadas. Usualmente, este princípio implica a redução do consumo de água e energia a valores mínimos necessários e suficientes para o bom funcionamento da instalação e para satisfação das exigências do usuário.

Projeto Sanitário: Segundo a NBR 8160 (1999), o sistema de esgoto sanitário tem por funções básicas coletar e conduzir os despejos provenientes do uso adequado dos aparelhos sanitários a um destino apropriado. Por uso adequado dos parelhos sanitários pressupõe-se a sua não utilização como destino para resíduos outros que não o esgoto.

Projeto Preventivo de Incêndio: Segundo a NBR 13714 (2000), projeto é o conjunto de peças gráficas e escritas, necessárias à definição das características principais do sistema de hidrante ou mangotinho, composto de plantas, seções, elevações, detalhes e perspectivas isométricas e, inclusive, das especificações de materiais e equipamentos.

Projeto Elétrico: Segundo a NBR 14039 (2005), um projeto de instalações elétricas se inicia sempre com o levantamento das cargas dos equipamentos elétricos desta instalação. Isto é necessário para a determinação da potência de alimentação da instalação. Para cada carga devem ser determinadas as características elétricas principais, tais como, a potência, a tensão nominal e o fator de potência.



Fontes:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. (NBR 5626, NBR 5674, NBR 6118, NBR 8160, NBR 13531, NBR 13532, NBR 13714, NBR 14039)
                Oneda, G F L. Um Modelo de compatibilização de projetos de edificações baseado no método BIM. Joinville: Centro Universitário Tupy, 2014 TCC

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Definição de BIM

https://biminformation.blog/

O BUILDING INFORMATION MODELING ou em portugês MODELAGEM DA INFORMAÇÃO DA CONSTRUÇÃO pode ser defenido da seguinte maneira:

Para Eastman et al. (2008, p.13), Bim é uma tecnologia de modelagem e um conjunto associado de processos para produzir, comunicar e analisar modelos de construção. Modelos da construção são caracterizados por:

  • Componentes da construção, que são representados com representações digitais inteligentes (objetos) que "sabem" o que eles são, e que podem ser associados com atributos (gráficos e de dados) computáveis e regras paramétricas.
  • Componentes que incluem dados que escrevem como eles se comportam, conforme são necessários para análises e processos de trabalho, por exemplo, quantificação, especificação e análise energética.
  • Dados consistentes e não redundantes de forma que as modificações nos dados dos componentes sejam representados em todas as visualizações dos componentes;
  • Dados coordenados de forma que todas as visualizações de um modelo sejam representadas de maneira coordenada.


Fonte: EASTMAN, C.; EICHOLZ, P.; SACKS, R.; LISTON, K. Manual de BIM: um guia de modelagem da informação da construção para arquitetos, engenheiros, gerentes, construtores e incorporadores. New Jersey: John Wiley & Sons, 2008.